Site batera.com.br revela as 10 maiores turnês de todos os tempos

10 de maio de 2013, por Site Batera
Por Rafael Ferraz

Banda U2 em turnê Nas últimas décadas, os avanços tecnológicos, as tendências da moda ligada à música, as apresentações e inovações artísticas pelo mundo, evoluíram até chegar o que vemos hoje em dia. As mais importantes, de acordo com o impacto gerado pelas estruturas de palcos impactantes, relevantes polêmicas, efeitos cinematográficos e novos formatos, segundo a mídia, formam pelo menos uma 'lista das 10 turnês mais marcantes da história.

Com informações sobre a bilheteria de shows, venda de discos, produtos e publicidade, baseado em publicações da imprensa especializada, os exemplos de turnês que ajudaram a mudar o mundo da música, vão de Beatles a Madona. Além do caos gerado pelas apresentações, cada banda ao seu modo, ajudaram a mudar o mundo da música, principalmente as seguintes turnês:

A primeira turnê dessa lista aconteceu em 1964, a "The Beatles’ US Tour", com apenas quatro músicos, cada um com seu instrumento e  amplificadores precários. Os shows abriram a porta dos Estados Unidos para a 'beatlemania' como uma 'invasão britânica' da Inglaterra para os EUA e, depois, o mundo inteiro. A década seguinte foi marcada pela turnê "Rock & Roll Over", de 1976 a 1977, com o Kiss. Exagerados e mascarados, eles emplacaram de verdade com o grande sucesso do disco ao vivo Alive! (1975). Mascarados, aproveitavam um sucesso que não pararia de crescer, cuspindo fogo e babando 'sangue' nas suas encenações.

Polêmicos, os punks britânicos do Sex Pistols que apareceram em 78, e logo se separaram com brigas internas, também aparecem na lista com a conturbada turnê norte-americana. O vocalista Johnny Rotten, o guitarrista Steve Jones, o baterista Paul Cook e o baixista Glen Matlock, substituído pelo excêntrico  Sid Vicious em 1977, criaram controvérsias e cativaram a Grã-Bretanha.

Os shows quase sempre terminavam em confusões, e viravam um problema para os organizadores e autoridades. Um exemplo é single de 1977, "God Save the Queen", quando atacam a subsmissão à Coroa e o conformismo social dos britânicos. Se separaram em dois anos e meio, com apenas quatro singles de sucesso. Ao lado do empresário Malcolm McLaren, tocaram no sul dos Estados Unidos, recebidos por plateias violentas e publicamente dedicando mais tempo às brigas internas do que à performance.

Tornando-se uma grande empresa de entretenimento, o Pink Floyd marca com a turnê "A Momentary Lapse of Reason", de 1987 a 1989, com quase 200 shows. Mesmo com a saída de Roger Waters, enquanto o tecladista Richard Wright tocava como músico contratado, a banda também marcou com a "Division Bell Tour", em 1994.

Ainda no final dos anos 80, a turnê "Bad", de Michael Jackson, também se tornou um marco. O artista já havia cantado faixas de "Thriller" ao vivo, mas  pela primeira vez o 'Rei do Pop' excursionava sem seus irmãos, com canções de seus próprios discos. Também famosa, em 1990, foi a vez de Madonna aparecer com a turnê "Blond Ambition", um espetáculo considerado ousado demais, e que alguns anos depois ficou mais explicito com o livro 'Sex' e o álbum 'Erotica'. O figurino, criado por Jean-Paul Gaultier, é referência até hoje. 

Ainda nos anos 90, a tunê "Zoo TV", do U2 pendurava carros no teto do palco, apenas um dos elementos criados para divulgar o disco 'Achtung Baby'. Com imagens de televisão, transmissões ao vivo de outros lugares, e Bono incorporando vários personagens, depois disso, os shows de rock nunca mais foram os mesmos. Na mesma época os shows da "Voodoo Lounge", dos Rolling Stones formatou o tipo de show que banda usaria até a Bigger Bang Tour de 2005 a 2007. Antes disso eles também contribuíram com a turnê "Steel Wheels/Urban Jungle Tour",  (1989-1990). 

De novo, o U2 aparece com a turnê "360º", de 2009a 2011, nos Estados Unidos. Para reformatar completamente o tipo de apresentação, colocaram uma gigantesca estrutura metálica – “a garra” – sustentando telões móveis e caixas de som. Mas logo voltava em cena o ex-Floyd, Roger Waters, com "The Wall Live", de 2010 a 2012, para mostrar a íntegra o disco de 1979. Waters levantou, 30 anos depois, o muro que o Pink Floyd havia tentado no começo dos anos 80, e gerava mais custo do que lucro.

Tags: show | turnês

Comentários

Veja também: Artigos recentes | Pesquisar artigos | Autores | Todos os artigos