Não Consigo Mais Evoluir! E agora?

Adalberto Brajatschek (Magoo)
- 6min de leitura

Não Consigo Mais Evoluir! E agora?

Há momentos em que parece que os estudos estão estagnados. Por mais que se dedique, você tem a impressão de que não consegue avançar um passo sequer. Isso é comum? Por que ocorre? Como posso lidar com isso?

Para construir uma base sobre esse assunto vamos dividir o aprendizado em 3 fases: A fase da ignorância total, a fase do acúmulo de informações e a fase da solidificação das informações.

IGNORÂNCIA TOTAL

Imagine que você seja totalmente leigo no assunto bateria, e gostaria de começar a tocar este instrumento. Você está na fase de ignorância total e qualquer informação que conseguir a respeito dessa atividade será um ganho de 100%. Aqui, você partiu muito rápido do ponto A para o ponto B. Fica fácil de perceber e medir seu progresso, mesmo que seja apenas uma única nova informação!

De certa maneira, essa é uma fase de "empolgação", onde você percebe que é capaz de lidar com essa nova atividade. Seria muito saudável se você pudesse levar adiante esse espírito de empolgação, e transformá-lo em motivação, principalmente quando surgirem obstáculos mais complexos. A grande sacada aqui é: dividir os estudos complexos em partes mais simples, assim você consegue monitorar e comemorar sua evolução!

"Um dos grandes segredos da motivação é nunca perder a alegria do primeiro contato com o instrumento".

ACÚMULO DE INFORMAÇÕES

Com a vontade de evoluir, certamente você vai buscar por novos conhecimentos. Alguns estudos podem ser dominados em pouco tempo, mas há outros que necessitam de maior dedicação e muito mais repetições para serem aprimorados. E aqui está a chave de todo o processo, a repetição (repetição com qualidade, é claro). Em alguns dias você percebe alguma mudança, em outros não. Mesmo assim, se estiver focado em um mesmo assunto e promovendo as repetições necessárias, seu corpo estará acumulando as informações através de conexões neurais, memória muscular, memória visual, memória auditiva, etc.

SOLIDIFICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES

Tudo que você repete muitas e muitas vezes acaba se tornando parte de um hábito. Nossa ideia, ao estudar um instrumento musical, é fazer com que todas as atividades se tornem hábitos, para que possamos prestar atenção apenas à música. Você já parou para pensar que penteia seus cabelos, escova seus dentes, usa os talheres sempre da mesma maneira? Estas são apenas algumas informações solidificadas com o tempo. Do mesmo modo, se você continuar praticando as atividades necessárias para atingir seus objetivos de maneira consistente, vai transformá-las em uma habilidade natural, mesmo que pareça que você está andando em círculos.

"Se você praticar as atividades necessárias para atingir seus objetivos de maneira consistente, vai transformá-las em uma habilidade natural".

NEM TODO DIA É IGUAL

Certamente você já percebeu que seu humor, sua vontade, sua percepção não são constantes ao longo dos dias. Do mesmo modo, nosso rendimento no instrumento sofre variações. Pode ser que hoje você não consiga fazer seu estudo de singles em 120 bpm, como fez ontem. Talvez você esteja com dificuldade de foco devido a uma noite mal dormida. Talvez você não esteja bem hidratado e sua resistência diminuiu.

Geralmente a prática é composta por:

● Momentos de evolução - onde você atinge seu objetivo específico;

● Momentos de (aparente) estagnação - onde você está acumulando o conhecimento;

● Momentos de (aparente) declínio - onde você sofre alguma influência física, emocional ou mental.

O importante é perceber que você (e seu play) não se resumem ao momento presente. Essa é apenas uma fase na caminhada rumo à evolução. Quem já toca há algum tempo sabe que “uma noite” nunca é igual à outra. O que precisamos fazer é observar o que não está do nosso agrado e buscar as soluções, passo a passo.

DICAS

Durante o processo todo, a presença de um bom professor é essencial. É ele quem vai selecionar e gerenciar o material a ser estudado. É muito comum para um iniciante (e intermediário) se deparar com uma quantidade infinita de material e simplesmente não saber o que fazer com tudo aquilo. Aqui, o que pode te fazer parar (ou perder tempo) é a falta de método e organização de tarefas.

Outra coisa que você pode fazer é se gravar em áudio ou, de preferência, em vídeo, de tempos em tempos. Com esse material você poderá facilmente perceber as diferenças, além de te ajudar a avaliar sonoridade, postura, movimentos, etc.

Não deixe de comentar este texto e enviar suas sugestões e experiências.

Um abraço!